Maca Bolha e seu uso durante a pandemia da Covid-19

Em regiões onde não há vagas para todos doentes em estado grave decorrentes da Covid 19, há necessidade de buscar leitos em outros hospitais para os doentes. Esses pacientes são transportados de uma unidade para outra, onde há vagas e leitos disponíveis. Para fazer o transporte de forma rápida, esses pacientes são transferidos pelos socorristas, em ambulâncias e helicópteros do Corpo de Bombeiros.

Um dos maiores perigos nessas remoções é o contágio da doença. Para evitar que ele ocorra estão sendo usadas macas bolhas, pois com elas os pacientes são transferidos sem o risco de contaminação. A maca bolha isola o paciente e este recebe ar que passa por um filtro, isso faz com que todos fiquem protegidos, impedindo que os socorristas sejam contaminados.

Esse equipamento é usado em Minas, um dos poucos estados em que esse equipamento é usado. Outros também já estão usando, como: o Corpo de Bombeiro de São Paulo, Distrito Federal e Rio de Janeiro também usam esse mesmo equipamento. Segundo o Tenente Guilherme Augusto Borges, não dá para precisar quantas pessoas já usaram o equipamento em Minas, pois elas foram distribuídas em todo o estado, mas até o Batalhão de Operações Aéreas usa a maca bolha, pois já transportou pacientes confirmados com Covid 19.

A cada atendimento é necessário que os equipamentos de filtro sejam trocados, para que possam passar por uma desinfecção completa. Sendo assim, tanto o bombeiro, quanto o interior do veículo de resgate, bem como o local por onde passa o paciente, não ficam com exposição ao vírus.

Para que é usada a maca bolha

A maca bolha é usada para fazer o transporte de pessoas infectadas com o Covid 19 de um hospital para outro. Dessa forma ela evita que o vírus se espalhe dentro do veículo, seja carro ou helicóptero e acabe contaminando os socorristas, inclusive, as pessoas que os recebem na outra unidade. O paciente já vai direto para o local de isolamento, sem que o vírus seja espalhado, para receber o tratamento de forma adequada.

Equipamentos individuais

Para que os Bombeiros e toda a equipe de transporte possam estar protegidos, os equipamentos são individuais, cada um tem o seu, que compõem, máscaras, luvas especiais, óculos, macacões, toucas, aventais, botas de borracha e protetores faciais. Um aparato todo para garantir a saúde dos profissionais envolvidos com as operações, juntamente com a maca bolha.

Importância do equipamento

A maca bolha é de grande importância neste momento, pois ela auxilia na proteção dos pacientes e dos envolvidos com o transporte das pessoas contaminadas com o Covid 19. As pessoas a serem transportadas ficam em um ambiente fechado junto com os socorristas e, sem a maca bolha a probabilidade de contaminação é muito maior, pois ela filtra o ar do paciente para que não transfira o vírus para quem está com ele.

É importante também fazer a limpeza e desinfecção do equipamento após o paciente ser transportado, para que o próximo que for usar não seja contaminado. A maca bolha tem ajudado muito, a todos que a estão usando, pois, a proteção é bem maior na hora do transporte dos pacientes.

Antes do uso da maca bolha, mesmo com todos os materiais de proteção, as pessoas ficavam expostas ao vírus e muitas delas acabavam se contaminando. Depois que a maca bolha começou a ser usada, o número de contágios ocorridos no transporte das vítimas caiu drasticamente, para quase nenhum.

A maca bolha se tornou uma grande aliada nesse combate ao Coronavírus, as pessoas, onde ela é usada, sentiram-se muito mais seguras, pois ela isola os doentes para que o vírus não se espalhe. Depois que a distribuição de leitos para Covid 19 começou a ser feita, entre municípios e até estados a proteção teve que ser bem maior e é nessa hora que a maca bolha faz toda a diferença.

Quando os profissionais socorristas se sentem seguros podem desempenhar a sua função com muito mais prazer sabendo que estão protegidos sem o risco de serem contaminados. Se a maca bolha estivesse sendo usada em todo país, seria muito melhor, pois haveria menos riscos de contaminação na hora de transportar um paciente com Coronavírus.